spot_img
spot_img

Justiça descobre rombo bilionário em fundo dos Correios que envolve Cajamar

Title image box

Add an Introductory Description to make your audience curious by simply setting an Excerpt on this section

gif_Taageero-iloveimg-compressed
 
 
No relatório final, a CPI dos Fundos de Pensão identificou prejuízo de mais de R$ 6,5 bilhões em 15 casos de má gestão e fraude nos investimentos em quatro grandes fundos de pensão e sugeriu ao Ministério Público Federal que investigue e proponha ações contra cem dirigentes, ex-dirigentes e operadores que estariam envolvidos.

Veja os 15 casos:
BNY Mellon
Postalis cobra R$ 5 bilhões do banco americano na Justiça por fazer maus negócios, como a compra de títulos lastreados nas dívidas públicas da Venezuela e da Argentina e de bancos liquidados como BVA e Cruzeiro do Sul e investimento na Usina Canabrava.
Usina Canabrava
Prejuízos de R$ 425 milhões para o Postalis e, para o Petros, de R$ 164 milhões. A usina acumulava prejuízos e foi acusada de adulteração de etanol no Rio.
Galileu Educacional
Empreendimento na área de Ensino Superior privado, nasceu endividado, teve problemas de gestão e foi descredenciado pelo Ministério da Educação. Acabou fechando as portas. Gerou perdas para o Postalis de R$ 65 milhões e ao Petros de R$ 14 milhões.
VITATrendbank
Fundo de crédito que fechou devido à disparada na inadimplência. Prejuízos de R$ 48,3 milhões para o Postalis e R$ 22 milhões para o Petros.
Cevix
Empresa de energia pertencente à Engevix, envolvida na Operação Lava-Jato e que pediu recuperação judicial. Perdas à Funcef de R$ 237 milhões.

Cajamar
Envolve compra de um terreno em Cajamar em 2012 pelo Postalis para a construção de um centro logístico alugado para os Correios. O negócio não era previsto na política de investimentos do fundo e, de acordo com o MPF, traria retorno abaixo de outros investimentos em títulos públicos, com menor risco. A compra e a construção também teriam sido superfaturadas.

Gradiente
A fabricante de produtos eletrônicos fez uma frustrada tentativa de se reerguer, com apoio financeiro de Petros e Funcef. Segundo a CPI, cada um dos fundos perdeu R$ 17 milhões.
Sete Brasil
Empresa que também acabou em recuperação judicial devido à crise na Petrobras. Funcef e Petros perderam R$ 1,1 bilhão cada um. Previ investiu R$ 180 milhões.
Lupatech
A empresa gaúcha foi uma das primeiras a sucumbir à crise na Petrobras. Deixou perdas de R$ 330 milhões para o Petros, a valores apurados em dezembro de 2010.
OAS
Perdas de R$ 200 milhões para o Funcef pelo investimento na OAS Empreendimentos. Enrolada na Lava-Jato, também passa por recuperação judicial.
Eldorado Celulose
Caso não abordado na CPI, Petros e Funcef têm cada um 25% de um fundo que é dono de um terço da empresa que pertencia aos grupo J&F, dos irmãos Batista, e foi vendida no início do mês ao grupo holandês Paper Excellence.
Via: Gauchazh

Compartilhe

Outras notícias

Obras do novo reservatório do Polvilho está em fase final

Nesta quarta-feira (12), a equipe da Prefeitura de Cajamar realizou uma vistoria na obra de interligação...

Chefe do tráfico, em saída temporária, é preso novamente em Cajamar

A equipe da Polícia Militar, por meio do Pelotão Bravo, recebeu informações de que...