Desde ontem (06/01),  com nova regra imposta pelo Banco Central, os limites do cheque especial deve ser de no máximo 8% ao mês, mas taxa continua alta. Todavia, pela nova regra, é possível fazer a portabilidade, ou seja, transferir a sua dívida para outro banco, como já é possível para financiamento imobiliário.

Ao optar por transferir sua dívida para outra instituição financeira com juros mais baixos, você deverá ir ao seu banco para pedir um documento de portabilidade, com informações da dívida.

Basta levar esse documento ao novo banco, junto com o RG, CPF e comprovante de residência para abertura da corrente e deixar o restante da operação ser feita pelo novo banco, sem que você precise fazer mais nada.

Informações do Banco Central divulgadas pela Uol, mostram que o campeão dos juros no cheque especial é o Banco Mercantil do Brasil, com taxa média de 16,15% ao mês. A menor taxa é a do Banco Ribeirão Preto, com média de 1,52% ao mês.

Além disso, o Banco Central apresentou as seguintes mudanças:

Alterar limite do cheque especial

Os clientes podem pedir a qualquer momento para tirar ou baixar o limite dessa modalidade de crédito. Os bancos precisam de autorização do consumidor para aumentar o valor, diferentemente do que ocorre atualmente.

Bancos vão cobrar taxas pelo uso do cheque especial

O Banco Central autorizou as instituições bancárias a cobrarem uma tarifa mensal de todos os cliente que tenham o limite disponível do cheque especial superior a R$ 500, independentemente se estiverem usando ou não. De acordo com o BC, será de 0,25% do valor o valor que exceder R$ 500.

Para novos clientes a cobrança de 0,25% começa a partir de 06 de janeiro de 2020. Para quem já tem limite aprovado, a nova regra só começa a valer em 1º de junho do próximo ano.